ACORDAI, PROLETÁRIOS! | Agreste Violento

PM CONECTADO

Águas Belas (87) 99919.2115
Angelim (87) 99979.3204
Bom Conselho (87) 98101.7402
Brejão (87) 98101.8739
Caetés (87) 98146.4946
Canhotinho (87) 99612.2683
Capoeiras (87) 9.9819-5367
Calçado (87) 98116.4066
Correntes (87) 98134.0114
Garanhuns (87) 98139.1576
Jupi (87) 99962.2743
Jucati (87) 98111.2481
Lajedo (87) 9.8144-9320
Lagoa do Ouro (87) 991794150
Paranatama (87) 98121.5364
Palmeirina (87) 98143.4566
São João (87) 98116.1430
Terezinha (87) 98124.0865

Rádios e Parceiros

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Revolução Industrial. Karl Marx. Socialismo. Classe operária e sua condição permanente de assalariados e modos de vida. Burguesia. Blá-blá-blá. Tudo isso conhecido. Marx via no proletariado o contrapeso ao capitalismo, mas não falava de sociedade socialista, coisa de utópico e seu mundo ideal, o igualitarismo desejado como se vê no céu. Grande pensador, Marx objetava o excesso do Capitalismo que produzia um mundo desigual e deformado, olvidando uma outra força tão significativa quanto: o trabalho. Marx foi profundamente deturpado. Ao longo da história, essa deturpação recebeu o nome daqueles que falavam de Marx, mas sem vivê-lo: Leninismo e Stalinismo e Castrismo e Chavismo e Lulismo.

Venezuela: a crônica de mais um fracasso do socialismo real. Fome e mortes e perseguições e prisões e a esperança sepultada. Do populismo chavista até a chegada ao poder do ditador Maduro e foi nisso que deu. A história que se repete. Os fatos. Ainda que Lula chegue ao poder, vai se curvar ao jogo do mercado. Aqui não tem voluntarismo. Do contrário, o capital privado sai em busca de outras realidades: Chile, Colômbia, Argentina, USA e Europa, portos seguros. O país de Maduro veio na contramão e aí está: na merda. – A democracia somente é possível a partir da convivência de “teorias não abrangentes”. Não há uma coisa absoluta: esquerda ou direita. Do debate surge o melhor para cada povo. A razão deve prevalecer sobre a emoção (populismo), que somente gera retrocesso e corrupção –, John Rawls. Que verdade, hein! Chile com seu partido socialista. O imperialismo americano com democratas ou republicanos. Conservadores ou trabalhistas e o Reino Unido brilhando. Capital e Trabalho vivendo conjugalmente como no socialismo de cátedra. Como tenho dito: VALE SEMPRE O HOMEM. Ideologia é coisa de babaca. Por que (então) perder tempo com Lulas da vida? O brasileiro e seu ‘complexo de vira-lata’ como dizia Nelson Rodrigues. Mudança de mentalidade nos livrando dessas figuras messiânicas. Livrarmo-nos do ‘véu da ignorância’ de John Rawls vendo que é possível (sim) a convivência do liberalismo clássico com as ideias igualitárias de esquerda. Os países supracitados dizem isso. Como dizem do erro a Venezuela e esse populismo latino-americano. Coisa de povo subjugado ou da “Servidão Voluntária” de La Boétie.

Lulismo. Ah, fariseu hipócrita. Você não pratica o que prega. Coloca todo o fardo pesado sobre o ombro alheio sem lhe dar um dia de trabalho. Uma boa vida, a do Lula. “Ele não tem nada de esquerda. É um ‘bon vivant’”, Golbery. Dizem que Lula sempre foi uma farsa. Amigo dos generais e dos policiais do antigo DOI-CODI, bem como do delegado do DOPS, Sérgio Fleury, que por ele tinha admiração. Alguém já ouviu dizer que Lula foi torturado ou que passou dias na cadeia durante a ditadura? A anta Dilma até que levou uns cascudos, sem-vergonha que sempre foi. Lula era bajulado. Poder-se-ia passar uma esponja nessa história meio que duvidosa de Lula e o Regime Militar. Não sei se foi por aí ou bem assim. Mas… “Não se pode enganar a todos todo o tempo”, dizia Lincoln. O Lula revelado se mostrou mais sujo.

Que Lula foi um grande presidente é inegável. Deu continuidade a boa gestão de FHC e o Brasil viveu um período de bonança, depois tudo desfeito por aquela ANTA Dilma. Lula é inteligente, bem articulado, discurso tocante, comove pela empatia, líder carismático e de um conhecimento empírico singular, deixando muitos teóricos e grandes intelectuais calados. Sair de onde saiu e chegar tão longe, é de aplaudir de pé. Somente não votei em Lula uma única vez e contra FHC, responsável por um feito histórico: acabou com a inflação. Dei a Lula quatro votos. Votei na anta Dilma contra Serra e depois já em Aécio pelos escândalos. Eu e o Brasil (vermelhos no sangue) e mais ainda na política, até que vieram os mensalões e petrolões, as desilusões, e o PT na cadeia. Era o divórcio dado como certo. Aqui fala mais alto a dignidade, qualidade moral que inspira respeito e o amor próprio (ou) não se existe como pessoa. Fazer valer a existência. Ser pensante. Não boi tangido seguindo falso líder por que é o que mais grita. Mais ainda e principalmente: ser como aquela criança do conto de Christian Andersen e “O Rei está Nu”, verdade que era, saindo da soberba intelectual (ou patetismo) achando que Lula anda bem vestido.

A Revolução dos Bichos (George Orwell) explica bem quanto o poder corrompe. Antes, e se promete tudo à classe trabalhadora e um país farto de justiça social. Uma vez no poder, e o que se ver é o mais do mesmo. Bem mais no caso petista: a corrupção institucionalizada. Tanto que se suscita o “eu era feliz e não sabia”, ainda que sejam os anos de chumbo. Foi no que deu o PT. É isso o socialismo de conveniência: o Lulismo.

Acordai, proletários! Acordai! O Muro de Berlim caiu e faz tempo. Até quando, nesse papel ridículo e humilhante de Bobos da Corte? Até quando, Bocós da Vida? Não vedes que tendes sido usados para a boa causa, mas a deles: poder e corrupção e riqueza. Não despertais ainda para a que eles nos têm reservado: desemprego e miséria e um país quebrado. E não foi tudo isso (de ontem até hoje) o espólio petista? Good Bye, Lenin (Lula)!

José Maria     

                                  

Compartilhe